8 de nov de 2011

Mãe...

Como muitos sabem, estou vivenciando uma fase muito peculiar em minha VIDA... Ser mamãe. Em breve meu filho deve nascer e devo confessar que a maternidade muda tudo dentro de nós... Esta fase está sendo muito alegre e especial e gostaria de compartilhá-la com todos vocês, amigos e leitores!


Grande abraço :)

Poema Enjoadinho
Vinícius de Moraes

Filhos...  Filhos?
Melhor não tê-los!
Mas se não os temos
Como sabê-lo?
Se não os temos
Que de consulta
Quanto silêncio
Como os queremos!
Banho de mar
Diz que é um porrete...
Cônjuge voa
Transpõe o espaço
Engole água
Fica salgada
Se iodifica
Depois, que boa
Que morenaço
Que a esposa fica!
Resultado: filho.
E então começa
A aporrinhação:
Cocô está branco
Cocô está preto
Bebe amoníaco
Comeu botão.
Filhos?  Filhos
Melhor não tê-los
Noites de insônia
Cãs prematuras
Prantos convulsos
Meu Deus, salvai-o!
Filhos são o demo
Melhor não tê-los...
Mas se não os temos
Como sabê-los?
Como saber
Que macieza
Nos seus cabelos
Que cheiro morno
Na sua carne
Que gosto doce
Na sua boca!
Chupam gilete
Bebem shampoo
Ateiam fogo
No quarteirão
Porém, que coisa
Que coisa louca
Que coisa linda
Que os filhos são!


17 de out de 2011

Parabéns, EDUCADOR!

Ninguém é tão grande que não possa aprender, nem tão pequeno que não possa ensinar. (Esopo)

Que Deus ilumine sempre os caminhos dos nossos mestres!

Parabéns =D

23 de set de 2011

Simpósio Internacional Linguagens e Culturas: Homenagem aos 40 anos dos Programas de Pós-Graduação em Linguística, Literatura e Inglês da UFSC

de 4 a 7 de outubro de 2011
Florianópolis, SC, Brasil

O Simpósio Internacional Linguagens e Culturas será realizado, entre 4 e 7 de outubro de 2011, em comemoração aos 40 anos dos Programas de Pós-Graduação em Linguística (PPGLg), Literatura (PPGL) e Inglês (PPGI) da UFSC. O evento pretende reunir pesquisadores brasileiros e estrangeiros, docentes e discentes envolvidos nas diferentes áreas/linhas de pesquisa dos PPGLg, PGLe PPGI atuando, ao mesmo tempo, como um ambiente para reflexão sobre a história dos estudos da linguagem e para discussão sobre questões seminais da área.
Para mais informações sobre o evento acesse: http://pos40anos.cce.ufsc.br/

22 de ago de 2011

LIVROS EM PDF - Leitores e estudantes, aproveitem essa oportunidade criada pelo Governo Federal!

BOA LEITURA ;p
Uma bela biblioteca digital, desenvolvida em software livre, mas que está prestes a ser desativada por falta de acessos. Imaginem um lugar onde você pode gratuitamente:
·Ver as grandes pinturas de Leonardo Da Vinci;
· escutar músicas em MP3 de alta qualidade;
· Ler obras de Machado de Assis ou ler a Divina Comédia;
· ter acesso às historinhas infantis e vídeos da TV ESCOLA e muito mais...

O Ministério da Educação disponibiliza tudo isso, basta acessar o site: www.dominiopublico.gov.br

21 de jun de 2011

Acróstico: Terror

 Acróstico: Terror

Professora Orientadora: Ma. Ana Kelly Borba da Silva Brustolin
EBIAS – Turma: 71


                        Trauma
                         Escuridão
                          Risos maléficos
                            Ratos em disparada
                             hOrror
                                Ruas escuras e sombrias...

Autora: Maria Eduarda da Silva
Turma: 71

Acrósticos de Terror

Produções dos alunos da turma 71

Os alunos da turma 71 produziram textos muito especiais sobre o tema "Terror": contos, poesias, acrósticos e outros. Que tal lermos um pouquinhos de suas belas produções? Convidamos todos a se degustarem com os textos! Abraço!

Acróstico: Terror

Professora Orientadora: Ma. Ana Kelly Borba da Silva Brustolin
EBIAS – Turma: 71


Autoras:Vanessa e Katherine

Turma:71       

                              Tampa o olho
                              E
                              Roda,
                              Roda até
                              O dia
                              Raiar e o terror passar!


Autora: Isabella Maria
Turma:71       


                            Terror...
                            Espera você
                            Reações você vai ter
                            Relato e fantasia
                            Ódio irá
                            Renascer!


Autora: Fernanda
Turma:71



                              Tentativa de escutar alguém...
                              Enquanto dormia.
                              Rolou um terror.
                              Ruim! Que          
                              Horror! Era uma pessoa
                              Raivosa assustando as pessoas ingênuas...


Autora: Ada Maria
Turma:71

                                      Tremedeira,
                                      Escuro,
                                      Ruídos...
                                      Ruídos de pessoas.
                                      Horrível!
                                      Risadas estranhas...



Autor:Wilson
Turma:71

                                   Triller...
                                   Escuridão...
                                   Risos em uma
                                   Rua... Havia um circo de
                                   Horror,
                                   Relevando desaparecimento confuso?!


Autora:Shauanda
Turma:71       


                           Terror é ficar no
                           Escuro a ouvir
                           Risos assustadores e com
                           Risco de
                           Morrer... No
                           Ruído da madrugada.



Autora:Bruna Petry
Turma:71


                                 Tem um homem,
                                 Estranho, andando pelas
                                 Ruas e dando
                                 Risos aterrorizantes.
                                 Ontem o vi vagando por aí...
                                 Ruí minhas unhas com medo de fugir!

Poesia de mistério (5 estrofes)

Poesia de mistério (5 estrofes)
Autora:Ada Maria
Orientadora: Profª Ana Kelly
Turma:71

                                   O Gato

                     Em uma noite fria
                     ouvia-se barulho
                     com ruídos e tudo escuro...

                     Gatos miando,
                     ventania e uma noite sombria
                     com barulhos de fantasmas;
                     Era só uma agonia...

                      Barulhos estranhos,
                      copos quebrando –
                      em uma casa ao lado –  
                      Era estranho?!

                     Fui lá dentro com medo,
                     não conseguia enxergar...
                     barulhos esquisitos
                     me traziam medo
                     e eu começava a me arrepiar...

                     De repente, ouço passos [...]
                     Quando vejo, acendo a luz.
                     Levo um susto e é quando percebo:
                     Um gato preto em cima da mesa que reluz!

Gênero Poesia - Poesia de Terror e Mistério

Gênero Poesia
Poesia de Terror

A CASA ASSOMBRADA

Em minha casa acordada
esperando mamãe chegar,
ouvi um ruído...
e fui logo lá olhar!


Já era tarde
e eu sozinha
no escuro a andar
olhei o ruído comecei a gritar!

Comecei logo a correr,
procurando um lugar pra me esconder...
Aconteceu um apagão
e eu no escuro de pé no chão.

Agora não adianta mais gritar!
o  jeito é de peito aberto encarar
o ruído continuou e eu a procurar
com o chinelo na mão morrendo de tanto gritar...

A luz de novo acendeu e o rato apareceu.
Eu sem medo fiquei... Peguei o chinelo e o matei...


Autoras: VANESSA E KATHERINE
Professora Orientadora: Ma. Ana Kelly Borba da Silva Brustolin
Turma: 71

Gênero Poesia – Acróstico: Terror

Gênero Poesia – Acróstico: Terror

Professora Orientadora: Ma. Ana Kelly Borba da Silva Brustolin
EBIAS – Turma: 71


                        Trauma
                         Escuridão
                          Risos maléficos
                            Ratos em disparada
                             hOrror
                                Ruas escuras e sombrias...

Autora: Maria Eduarda da Silva
Turma: 71

Gênero Poesia

Gênero Poesia: Poesia de Terror (5 estrofes)

 
Monstros

Lobisomens, criaturas,vampiros,
com dentes afiados,
são todos bandidos,
provocando gritos.

Numa floresta escura,
escutando zumbidos e
fazendo travessuras todos unidos.

Muito pavor num lugar sozinho...
com tanto medo, com o coração batendo forte.
Muitos bandidos com armas de alto porte.

Zumbis se levantando das tumbas
se encaminhando para a cidade
com as mão ossudas,
governando toda a humanidade.

De repente aparece um homem
se debatendo...
Ele vira lobisomem
e fica tremendo!

Autor: Luciano Soares Gaia
Professora Orientadora: Ma. Ana Kelly Borba da Silva Brustolin
EBIAS – Turma: 71

Conto de Terror

Gênero conto
 Conto de Terror
 
A mulher do escuro

Era uma vez uma mulher que morava em Venture Fox com seu marido e seus filhos. Ela era muito crente em tudo o que contavam para ela. E como sempre tinha que haver um engraçadinho...
Dois meninos a fim de ''tirar uma'' com a cara dela resolveram fazer uma brincadeirinha de mau gosto.
Ligaram para o telefone da casa dela – e nesse dia seus filhos ainda não tinham chegado em casa – e os engraçadinhos falaram:
-               Alô, é da casa da dona Maria?
Ela respondeu:
-               Sim, quem fala?
-               Não interessa quem é o importante é o que eu tenho para dizer: seus filhos foram seqüestrados!
A mulher entrou em desespero e perguntou:
-               Onde eles tão?
-               É o seguinte, vá até a rua do bosque e me espere lá.
A mulher assustada foi correndo até lá; só que o que aqueles guris não sabiam é que um perigoso psicopata estava à solta.
Ao chegar lá, a mulher se deparou com uma tremenda escuridão e ficou assustada... Na escuridão ela avistou algo; era o psicopata.
Ele veio na direção dela com uma faca na mão, chegou perto e rapidamente a esfaqueou!
A mulher foi, aos poucos, parando de respirar... até que morreu!
Atormentada com sua morte quis, então, se vingar e começou a assombrar os guris... Um dos meninos, com muito medo, por causa da mulher que estava o seguindo, atirou-se, de bicicleta, de um barranco e o outro menino foi internado em uma clínica para tratar de pessoas com problemas mentais, porque seus pais achavam que ele estava louco.
A mulher, fascinada por matar, começou a matar todas as crianças na faixa etária entre 12 a 16 anos e nunca mais parou...
Será que você já cruzou com ela por aí?!


Autoras: VANESSA E KATHERINE
Professora Orientadora: Ma. Ana Kelly Borba da Silva Brustolin
Turma: 71

Gênero Conto: Conto de Terror

       Gênero Conto: Conto de Terror
Maria Estrangulada

 Maria era uma menina muito encrenqueira, que adorava uma briga. Quando ela cresceu, continuou sendo uma encrenqueira e continuava a arranjar briga, mas dessa vez com seus vizinhos.
 Num dia, faltou sal para temperar sua comida, e, então, ela foi até a casa de sua vizinha, batendo palma e gritando:
-Vizinha! Vizinha! A senhora tem um pouco de sal  para me dar?
-Claro vizinha. Espere aí que eu já volto.
Dois minutos depois ela voltou com o sal...
-   “Tó vizinha”.
-   Muito obrigado tá?!
E, assim, foi se repetindo todos os dias e ela pedindo: cebola, salsinha, etc.
Então, em um dia nublado e qualquer, a vizinha resolveu revidar... Esperou Maria chegar e pedir alguma coisa...
Depois de meia hora esperando por Maria, ela chegou, pedindo um pouquinho de açúcar, e disse:
-               Vizinha! Me dá um pouco de açúcar?
-               Não!
-               A senhora não tem?
-               Eu tenho sim.
-               É que eu cansei disso!
-               De hoje em diante eu não te empresto ou dou mais nada!
-Então tá bom, a senhora vai ver só uma coisa – disse Maria, a encrenqueira.
No dia seguinte, a senhora foi encontrada morta a facadas.
Nessa mesma noite, Maria escutou um zumbido e foi ver o que era...
Quando se deu conta, viu um monte de defuntos na sua sala, dizendo:
-Você assassinou nossa mãe, por isso deve ser morta. -Você assassinou nossa mãe, por isso deve ser morta. -Você assassinou nossa mãe, por isso deve ser morta...
Na manhã seguinte, ela foi encontrada estrangulada na sala. E sua alma, desde então, ronda pela vizinhança...

Autores: Luciano Soares Gaia e Michael Gomes Muller.
Professora Orientadora: Ma. Ana Kelly Borba da Silva Brustolin
EBIAS – Turma: 71

Linguagem não-verbal...

Com base na leitura e interpretação do texto "Maria Angula" (Equador) os alunos da turma 71 realizaram a atividade de passar o texto para uma linguagem não-verbal (desenho).












Maria Angula (Equador)

O texto a seguir, foi lido e comentado com os alunos na sala de aula... um clima um pouco mais "sombrio" foi criado na sala para a leitura do conto. A experiência foi muito gratificante e alguns alunos até se animaram e contaram algumas histórias de terror também!

Maria Angula (Equador)

Maria Angula era uma menina alegre e viva, porém era louca por uma fofoca e vivia arranjando brigas com os amigos. Assim, viveu Maria Angula até seus dezesseis anos de idade, dedicada a arrumar confusão entre os vizinhos, sem ter tempo para aprender a preparar pratos deliciosos. Ela logo se casou e começaram os seus problemas. No primeiro dia, o marido lhe pediu uma sopa de pão com miúdos, mas ela não tinha a menor idéia como prepará-la. Mas ela lembrou-se que sua vizinha era uma grande cozinheira e correu até lá.
__Cara vizinha, a senhora sabe fazer uma sopa de pão com miúdos?
__ Claro dona Maria. É assim: primeiro coloca-se o pão de molho em uma xícara de leite, depois despeja-se este pão no caldo e, antes que ferva, acrescentam-se os miúdos.
__Só isso?
__Só vizinha!
__Ah, mas isto eu já sabia!
Logo saiu correndo para a sua casa afim de não esquecer a receita e preparar o jantar. No dia seguinte o marido lhe pediu um ensopado de batatas com toicinho e a história se repetiu muitas e muitas vezes. Como isto acontecia todas as manhãs a Dona Mercedes resolveu dar uma lição em Maria Angula.
Pensando nisto Maria Angula adentrou a sua casa e perguntou:
__Dona Mercedes você sabe como preparar um caldo de tripas com bucho?
__Ah, mas isto é muito fácil. Vá para o cemitério, espere chegar o defunto mais fresco do dia e arranque-lhe as tripas e o estômago, lave-os muito bem e cozinhe-os com água, sal e cebolas. Sem esperar muito, logo ela foi e mais ou menos meia hora depois estava de volta a sua casa preparando o jantar. Seu marido que não sabia de nada comeu o jantar lambendo os beiços.
Nesta mesma noite, enquanto Maria Angula e o marido dormiam escutava-se uns barulhos esquisitos nas redondezas. Maria Angula acordou e escutou uns rangidos nas escadas e eram os passos de alguém que subia em direção ao seu quarto. A porta foi se abrindo devagar e era o defunto que ela havia arrancado o estômago e as tripas. E ele logo começou a falar:
__Maria Angula devolva as minhas tripas e o meu estômago que você roubou de meu corpo.
Maria Angula com medo se cobriu com a coberta, mas sentiu umas mãos ossudas puxarem suas pernas.
No dia seguinte, quando Manuel acordou, não encontrou mais a esposa e ninguém jamais soube do seu paradeiro.

Referência:

Projeto Literatura fantástica - Contos de mistério, terror e medo

Projeto Literatura fantástica - Contos de mistério, terror e medo

Por meio dos trabalhos com gêneros contos de mistério, terror e medo, eu, Professora de Português Ana Kelly, com o auxílio da Coordenadora da SI Professora Diane, pretendemos ampliar o conhecimento dos alunos da Turma 71 sobre as diversas culturas e, ao mesmo tempo, desenvolver o vocabulário, a escrita e a oralidade destes alunos.
O Projeto tem como principal objetivo incentivar o gosto pela leitura e aguçar a criatividade e a imaginação dos alunos.

Projeto

Para saber mais sobre o Projeto, acesse também o Blog da Turma:

31 de mai de 2011

Conselho de um velho apaixonado (Carlos Drummond de Andrade)

Conselho de um velho apaixonado (Carlos Drummond de Andrade)

Quando encontrar alguém e esse alguém fizer
seu coração parar de funcionar por alguns segundos,
preste atenção: pode ser a pessoa
mais importante da sua vida.

Se os olhares se cruzarem e, neste momento,
houver o mesmo brilho intenso entre eles,
fique alerta: pode ser a pessoa que você está
esperando desde o dia em que nasceu.

Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo
for apaixonante, e os olhos se encherem
d'água neste momento, perceba:
existe algo mágico entre vocês.

Se o 1º e o último pensamento do seu dia
for essa pessoa, se a vontade de ficar
juntos chegar a apertar o coração, agradeça:
Algo do céu te mandou
um presente divino: O AMOR.

Se um dia tiverem que pedir perdão um
ao outro por algum motivo e, em troca,
receber um abraço, um sorriso, um afago nos cabelos
e os gestos valerem mais que mil palavras,
entregue-se: vocês foram feitos um pro outro.
 
Se por algum motivo você estiver triste,
se a vida te deu uma rasteira e a outra pessoa
sofrer o seu sofrimento, chorar as suas
lágrimas e enxugá-las com ternura, que
coisa maravilhosa: você poderá contar
com ela em qualquer momento de sua vida.

Se você conseguir, em pensamento, sentir
o cheiro da pessoa como
se ela estivesse ali do seu lado...

Se você achar a pessoa maravilhosamente linda,
mesmo ela estando de pijamas velhos,
chinelos de dedo e cabelos emaranhados...

Se você não consegue trabalhar direito o dia todo,
ansioso pelo encontro que está marcado para a noite...

Se você não consegue imaginar, de maneira
nenhuma, um futuro sem a pessoa ao seu lado...

Se você tiver a certeza que vai ver a outra
envelhecendo e, mesmo assim, tiver a convicção
que vai continuar sendo louco por ela...

Se você preferir fechar os olhos, antes de ver
a outra partindo: é o amor que chegou na sua vida.

Muitas pessoas apaixonam-se muitas vezes
na vida poucas amam ou encontram um amor verdadeiro.

Às vezes encontram e, por não prestarem atenção
nesses sinais, deixam o amor passar,
sem deixá-lo acontecer verdadeiramente.

É o livre-arbítrio. Por isso, preste atenção nos sinais.
Não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem
cego para a melhor coisa da vida: o AMOR!!!

Referência:

DRUMMOND DE ANDRADE, Carlos. Conselho de um velho apaixonado. Disponível em: http://www.paralerepensar.com.br/drummond_cronicas.htm, acesso em maio/2011.

Vamos celebrar o amor! O dia dos namorados está chegando... 
Mas o importante é lembrarmos que temos o poder de amar todos os dias e valorizar os momentos e as pessoas que estão ao nosso lado. Deixemos as loucuras do cotidiano de lado e olhemos mais para os que estão ao nosso redor, com amor e carinho. Ame! Vibre! Sorria! Todo dia é dia de amar! 
Com carinho, Profª Ana Kelly Borba da Silva Brustolin

8 de abr de 2011

NORMA CULTA E LÍNGUA-PADRÃO – II

10/02/2011

    BOLETIM: Não Tropece na Língua nº 259 
                        2 ª edição                








* Maria Tereza de Queiroz Piacentini 
Diretora do Instituto Euclides da Cunha e autora dos livros 'Só Vírgula', 
'Só Palavras Compostas' e 'Língua Brasil – Crase, pronomes & curiosidades' - www.linguabrasil.com.br


Para os linguistas, a língua-padrão se estriba nas normas e convenções agregadas num corpo chamado de gramática tradicional e que tem a veleidade de servir de modelo de correção para toda e qualquer forma de expressão linguística.
Querer que todos falem e escrevam da mesma forma e de acordo com padrões gramaticais rígidos é esquecer-se que não pode haver homogeneidade quando o mundo real apresenta uma heterogeneidade de comportamentos linguísticos, todos igualmente corretos (não se pode associar “correto” somente a culto).

Não há brasileiro – nem mesmo professores de português – que não fale assim:

               – Me conta como foi o fim de semana...
               – Te enganaram, com certeza!
               – Nos diz uma coisa: você largou o emprego mesmo?



Ou mesmo assim:
               – Tive que levar os gatos, pois encontrei eles machucados.
               – Conheço ela há muito tempo, é ótima menina.
               – Acho que já tinha lhe visto antes.



Então, se os falantes cultos, aquelas pessoas que têm acesso às regras padronizadas, incutidas no processo de escolarização, se exprimem desse modo, essa é a norma culta.  Já as formas propugnadas pela gramática tradicional e que provavelmente só se encontrariam na escrita [conta-me como foi / enganaram-te / diz-nos uma coisa / pois os encontrei / conheço-a há tempos / já o/a tinha visto] configuram a norma-padrão ou língua-padrão.