25 de nov de 2010

Vovó e eu


Adoro escrever... deixei-me levar pela leitura de poemas, como: "Tecendo a manhã" (João Cabral de Melo Neto) e "Meus oito anos" (Casimiro de Abreu) e a imaginação rolou solta! Revivi parte de minha infância, tão querida, e lembrei-me com carinho da minha vivência e amizade com minha avó! Quanto amor, quanta alegria!



Vovó e eu


Por que crescer?
Quando se é criança é tão bom...
Cheirinho de terra molhada,
A chuva que acabou de cair...
E o exalar do perfume
Do café que minha vovó está a concluir
Oh, que cheirinhos gostosos...
Casa da vovó, terra molhada, café sendo preparado
E o dia passando num belo cenário acalorado.
Os bichinhos ali fora
Passarinho a cantarolar
Beija-flor a voar
E o galo com a galinha a namorar...
Vovó andando na cozinha
Me chama: Uh,uh
Vou correndo à mesa
Me junto a ela
conversamos muito e rio do riso dela
Os anos passam...
Tudo passa...
Fica a saudade
Resquício de lembranças boas
Daquela idade
cheinha de amabilidade
Vou levando a minha vida...
E vivendo uma história...
às vezes, volto e olho para trás,
e choro pela felicidade que a vida de novo me traz!


Tecendo a manhã
">

Tecendo a manhã



Nenhum comentário:

Postar um comentário