14 de out de 2010

Dia das Crianças!


Queridos alunos e amigos! Nada melhor do que ser criança...



Ter aquele tempo todoooo para brincar, olhar o céu, subir em árvores e comer a fruta no pé! Hummm que delícia! As brincadeiras, a liberdade, o mundo todo ao nosso alcance.
A todos nós, que tivemos uma infância, ou estamos tendo uma, um Feliz dia Das Crianças, repleto de boas poesias e doces recordações...

Nunca deixe a criança que existe dentro de você se apagar...
Presenteio você com poesia! =D

Ou Isto ou Aquilo

(Cecília Meireles)

Ou se tem chuva e não se tem sol
ou se tem sol e não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.

É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo em dois lugares!

Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e gasto o dinheiro.

Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo . . .
e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranqüilo.

Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.


Sonhos da Menina
(Cecília Meireles)


A flor com que a menina sonha
está no sonho?
ou na fronha?

Sonho
risonho:

O vento sozinho
no seu carrinho.

De que tamanho
seria o rebanho?

A vizinha
apanha
a sombrinha
de teia de aranha  . . .

Na lua há um ninho
de passarinho.

A lua com que a menina sonha
é o linho do sonho
ou a lua da fronha?

O Mosquito Escreve

(Cecília Meireles)

O mosquito pernilongo
trança as pernas, faz um M,
depois, treme, treme, treme,
faz um O bastante oblongo,
faz um S.

O mosquito sobe e desce.
Com artes que ninguém vê,
faz um Q,
faz um U, e faz um I.

Este mosquito
esquisito
cruza as patas, faz um T.
E aí,
se arredonda e faz outro O,
mais bonito.

Oh!
Já não é analfabeto,
esse inseto,
pois sabe escrever seu nome.

Mas depois vai procurar
alguém que possa picar,
pois escrever cansa,
não é, criança?

E ele está com muita fome.

Segredos

 
(Eloí Elizabet Bocheco)


Rosalina tem
segredos de
várias cores.


O segredo verde
ela conta só no
ouvido do beija-flor.


O segredo lilás
ela prende no cabelo
e vai passear com a
Gata Lina numa caverna
quase de verdade.


O segredo transparente
ela põe pra tingir no
sol de setembro.


O segredo azul
ela conta só pra mim,
que não conto
pra ninguém.

Quem sabe,
no ano que vem...



O Relógio
 
(Vinícius de Moraes)


Passa, tempo, tic-tac
Tic-tac, passa, hora
Chega logo, tic-tac
Tic-tac, e vai-te embora
Passa, tempo
Bem depressa
Não atrasa
Não demora
Que já estou
Muito cansado
Já perdi
Toda a alegria
De fazer
Meu tic-tac
Dia e noite
Noite e dia
Tic-tac
Tic-tac
Tic-tac . . .

Um comentário:

  1. Oi, Kelly! Gostei de seu blog. Tá tudo lindo por aqui. Também gostei de ver meu poema em sua página. Que bom encontrar epaços que valorizam a poesia, em especial, a poesia infantil.
    Eu também não tolero preconceito linguístico, e nenhum tipo de preconceito.
    Grande abraço e tudo de lindo pra você.

    ResponderExcluir